100%
25.10.2021

Dia da Democracia: em memória de Vlado

A data do 25 de outubro é símbolo de um acontecimento histórico da ditadura militar que deu início à luta pela redemocratização e direitos humanos.

No Brasil, depois de um longo período de ditadura militar (1964 - 1984), houve a redemocratização do país e uma nova Constituição Federal de 88 que ampliou os direitos individuais e restabeleceu as liberdades públicas. Infelizmente Vladimir Herzog, também conhecido como Vlado, não teve a oportunidade de ver isso acontecer. 

O Dia da Democracia, mesma data de seu assassinato em 1975, foi escolhido como uma forma de eternizar o ato trágico em memória viva para dar força à luta pelos direitos humanos que tantos jornalistas, assim como Vladimir, pregavam através do jornalismo crítico que faziam em prol da democracia. 

O episódio histórico que interrompeu a vida dele é um dos milhares que aconteceram numa época sombria dentro do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI). 

Atualmente seu legado permanece vivo através do Instituto Vladimir Herzog (IVH), que comemora 46 anos de luta e de reconhecimento jornalístico com uma das mais importantes premiações da categoria.

O Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos acontece desde 1979 e destaca projetos em diferentes modalidades como arte, fotografia, produção em áudio, vídeo, texto e livro reportagem dentro de um recorte que valoriza a democracia e os direitos humanos no Brasil. 

Aqui no Colab adoramos inovar na gestão pública!

Por isso, disponibilizamos alguns conteúdos mais completos que falam sobre gestão pública. Deixe o seu melhor e-mail para recebê-los!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

E como anda a democracia?

De acordo com um estudo publicado em março deste ano pelo relatório Variações da Democracia (V-Dem), do Instituto ligado à Universidade de Gotemburgo, na Suécia, atualmente o Brasil é o 4º país que mais se afastou da democracia em 2020. 

Os dados são gerados de acordo com a contribuição de 3,5 mil pesquisadores e analistas, sendo que mais de 80% deles são vinculados a alguma universidade ao redor do mundo. 

De acordo com a BBC, o resultado de cada país vem de dados estatísticos que medem aspectos como grau de liberdade do Judiciário e do Legislativo em relação ao Executivo, a liberdade de expressão da população, a disseminação de informações falsas por fontes oficiais, a repressão a manifestações da sociedade civil, a liberdade e independência de imprensa e a liberdade de oposição política.

"Quando perdemos a capacidade de nos indignar com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerar seres humanos civilizados", Vladimir Herzog.


E como anda a democracia?

De acordo com um estudo publicado em março deste ano pelo relatório Variações da Democracia (V-Dem), do Instituto ligado à Universidade de Gotemburgo, na Suécia, atualmente o Brasil é o 4º país que mais se afastou da democracia em 2020. 

Os dados são gerados de acordo com a contribuição de 3,5 mil pesquisadores e analistas, sendo que mais de 80% deles são vinculados a alguma universidade ao redor do mundo. 

De acordo com a BBC, o resultado de cada país vem de dados estatísticos que medem aspectos como grau de liberdade do Judiciário e do Legislativo em relação ao Executivo, a liberdade de expressão da população, a disseminação de informações falsas por fontes oficiais, a repressão a manifestações da sociedade civil, a liberdade e independência de imprensa e a liberdade de oposição política.

"Quando perdemos a capacidade de nos indignar com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerar seres humanos civilizados", Vladimir Herzog.


Lívia Donadeli

Sobre o autor

Jornalista de formação, marketeira por imposição. Sempre em busca de pessoas que inspiram. Uma entusiasta por movimentos sociais.