100%
31.1.2020

4 formas de engajar a população

Neste artigo, falamos sobre 4 maneiras de engajar a população a participar ativamente das decisões e dos processos de sua cidade, além de citar casos de sucesso que utilizariam essas estratégias.

Uma das principais questões da sociedade atual é a falta de participação das pessoas nas decisões que envolvem o local onde moram. A participação popular em assuntos da administração pública não é proibida, muito pelo contrário, ela é encorajada de diversas maneiras, como consultas e audiências públicas, plebiscitos, referendos etc.

Porém, para muitos, o exercício da cidadania e, principalmente, o cumprimento dos deveres só é realizado a cada dois anos, quando elegem seus representantes no legislativo e no executivo. 

Essa situação também impacta no trabalho dos gestores públicos, que por muitas vezes têm dificuldade em engajar o cidadão a participar de pequenas (ou grandes) decisões ou consultas, que serão muito benéficas para o município. Contudo, algumas ações e táticas de servidores ao redor do mundo têm dado muito certo para motivar o cidadão a participar das decisões e cumprir os seus deveres com a sua cidade. 

Neste artigo estamos trazendo o conteúdo divulgado pelo blog Apolitical para apresentar algumas formas de engajar a população. Você pode ler o artigo original aqui.


1. Incentivos financeiros

Se tem uma coisa que nos motiva a fazer algo, é receber algum tipo de recompensa em troca, principalmente se essa recompensa vier em dinheiro ou com uma oportunidade de ganhar dinheiro. 

Sabendo disso, a cidade de Londres usou loterias para incentivar as pessoas de um grupo a se registrarem para votar (lá o voto não é obrigatório como no Brasil), o que aumentou o número de eleitores em 4%, se comparado aos grupos sem incentivo algum.

Os incentivos também podem ser negativos, como a aplicação de multas caso a pessoa não cumpra determinado dever. No Brasil, se a pessoa não votar nas eleições e não justificar sua ausência, deverá pagar uma multa. Caso não pague, ficará impedida de se inscrever em concursos públicos, tirar RG ou passaporte, dentre outras penalidades. 


2. Mostrar ao cidadão sua importância

Uma outra tática utilizada é trabalhar a auto imagem do cidadão, valorizando-o e fazendo com que se sinta importante e não “apenas mais um” (até mesmo porque ele não é só mais um). 

Às vezes, apenas a substituição de palavras fazendo com que a pessoa seja reconhecida como cidadão já influencia positivamente nos resultados. 

Além disso, as pessoas tendem a desejar uma imagem positiva, nem que seja somente para si próprias, de modo que esse é um outro artifício de convencimento muito eficaz. 

Um estudo realizado pelos EUA mostrou que as pessoas eram mais propensas à votação se fossem caracterizadas como “eleitores” e davam menos valor quando questionadas se iam “votar”.



Aqui no Colab adoramos inovar na gestão pública!

Por isso, disponibilizamos alguns conteúdos mais completos que falam sobre gestão pública. Deixe o seu melhor e-mail para recebê-los!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

3. Usar a autoridade quando necessário

Nem sempre agir com sutileza é o ideal para que as pessoas se engajem e façam o que é necessário. Mostrar a autoridade do órgão público e as consequências, caso os cidadãos não cumpram com seus deveres, é uma arma bastante eficaz para engajar a população. 

O Reino Unido usou uma tática diferente para chamar a atenção da população e motivá-la a responder questionários socioeconômicos. Dispensando o habitual envelope branco e usando um marrom, com letras em caixa alta, o órgão convocou a população com a seguinte frase:  

“NÃO IGNORE ESTE ENVELOPE. Se você mora aqui, legalmente precisa responder a esta carta.” 

A mudança na linguagem visual e escrita foi responsável por um aumento de 25% no número de pessoas que respondem o questionário anualmente.


4. O celular ajuda, mas a identificação é fundamental

Como pudemos perceber nas últimas eleições no Brasil, o uso de celulares e aplicativos para o envio de mensagens e as redes sociais foram decisivos nos resultados das urnas. 

Porém, somente enviar mensagens, sem levar em consideração o público-alvo, não é suficiente. Cada mensagem deve ser direcionada ao seu público específico, para que o mesmo se identifique com a causa e participe. 

Além disso, muitas vezes, o contato presencial e personalizado motiva muito mais o cidadão, já que o mesmo se sente valorizado.


Apesar de não ser uma tarefa fácil, engajar o cidadão é necessário pois ninguém melhor do que ele para saber o que sua cidade necessita. Para que os municípios avancem cada vez mais, é preciso mostrar às pessoas os benefícios que sua participação pode proporcionar. 

Aqui no Colab, nós engajamos as pessoas através da Gestão Pública Colaborativa e de Consultas Públicas, e com isso estamos transformando diversas cidades em todo Brasil.

E você, o que faz para motivar as pessoas na sua cidade?

Ana Mendonça

Sobre o autor

Ana Mendonça é jornalista e gestora de políticas públicas. Defensora de uma linguagem simples na administração pública, acredita no poder do cidadão e no protagonismo do servidor.