100%
21.12.2020

A Gestão do Conhecimento como Patrimônio Coletivo

Neste artigo, a Rachel Barquette explica o que é Gestão do Conhecimento e como ela é aplicada na cidade de Niterói.

As práticas de Gestão do Conhecimento no setor público são ainda bastante incipientes quando comparadas ao setor privado, sendo muitas delas iniciativas isoladas. Contudo, como qualquer organização, a administração pública deve estar atenta ao desenvolvimento das ações de Gestão do Conhecimento com o objetivo de modernizar suas práticas institucionais e garantir melhores políticas e serviços públicos à sociedade. Neste artigo, vamos debater a importância da Gestão do Conhecimento para a continuidade das políticas públicas e destacar algumas iniciativas da Prefeitura de Niterói nesta área. 

A Gestão do Conhecimento consiste na capacidade de mapeamento, criação, administração e compartilhamento dos ativos de conhecimento de uma organização, de maneira eficiente. Pode-se dizer, então, que a essência da Gestão do Conhecimento é a criação e o registro da memória institucional. Mas ela também se destaca por sua contribuição aos processos de aprendizagem e desenvolvimento organizacional (Moore e Bolinches, 2001), bem como criação de competências (Bueno, 1999). Além disso, a Gestão do Conhecimento tem sido cada vez mais associada à gestão da inovação, uma vez que os sistemas de inovação estão fortemente relacionados à capacidade e à forma em que está organizado o conhecimento (Ribeiro e Izquierdo, 2017).

Em ano eleitoral, a Gestão do Conhecimento adquire dimensões ainda mais importantes. Sabe-se que a rotatividade de pessoal no serviço público muitas vezes representa um problema em relação à continuidade das políticas e serviços públicos, o que pode acarretar prejuízos à população. A Gestão do Conhecimento visa justamente amenizar essas perdas e auxiliar na manutenção da eficiência da gestão em momentos de transição, bem como na continuidade de políticas públicas essenciais à população. Isso porque ela nos ensina que o conhecimento – e a política pública – não podem ser encarados como propriedades individuais. Ao contrário, o conhecimento deve ser externalizado em sistematizações, manuais, artigos, notas técnicas, entre outras ferramentas para ser compartilhado e, dessa forma, “passado adiante”. 

Além da transmissão do conhecimento, essas ações, realizadas de maneira constante, também permitem a criação de um repositório de documentos que registram a memória de uma instituição. Ao armazenar os documentos produzidos, é possível criar uma base de materiais para reflexões futuras. Da mesma maneira, ao divulgá-los e compartilhá-los com outros gestores, estamos submetidos a críticas e novas sugestões. Dessa forma, tanto o acúmulo, quanto a socialização do conhecimento não só estimulam como são essenciais para novos insights e ações inovadoras. Por fim, vale destacar também que tais ações promovem o fortalecimento dos processos internos. Isso porque toda vez que nos desafiamos a externalizar o conhecimento, somos impulsionados a refletir sobre o mesmo e, assim, é possível identificar gargalos e propor melhorias. 

O estímulo a essas práticas, contudo, não deve ocorrer apenas em momentos específicos. Ele deve ser constante para que haja a criação de uma cultura da Gestão do Conhecimento na gestão pública. Apesar do discurso canônico da meritocracia sobre uma “História” do conhecimento baseada em “gênios individuais”, a criação e a incorporação dessa cultura, portanto, nos leva a refletir sobre como o conhecimento é uma criação e um patrimônio coletivo, que deve ser preservado, passado adiante e manter-se sempre aberto à inovação. 

Aqui no Colab adoramos inovar na gestão pública!

Por isso, disponibilizamos alguns conteúdos mais completos que falam sobre gestão pública. Deixe o seu melhor e-mail para recebê-los!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

Iniciativas de Gestão do Conhecimento implementadas pela Prefeitura de Niterói

A Prefeitura de Niterói vem intensificando suas ações de Gestão do Conhecimento e, no último ano, criou uma coordenadoria específica dentro da Escola de Governo e Gestão (EGG) de Niterói. A EGG, por sua vez, está vinculada à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão (SEPLAG). A seguir, serão destacadas algumas ações desenvolvidas. 

Localizado no site da EGG, foi criado o Repositório de Memória Institucional, no qual são disponibilizados diversos documentos classificados em três categorias: trabalhos acadêmicos, sistematizações de metodologias e revistas municipais.  Na primeira seção, são reunidos os artigos e os relatos de experiências da Gestão que foram aceitos e publicados em Congressos e Revistas. Diversos já foram os temas abordados, como planejamento, gestão de pessoas, transparência, etc. Na segunda seção, são reunidos os manuais e as sistematizações com a memória de processos administrativos, como a elaboração dos Planos de Metas Anuais, etc. Na terceira, são reunidas as revistas publicadas pelo município, que são instrumentos de intercâmbio de boas práticas de gestão.

Também como ação da coordenadoria, em todo início de ano, a SEPLAG desenvolve Relatório Institucional referente ao ano anterior. Nele, são compartilhados os diversos projetos, processos, atividades e destaques da atuação da Secretaria. A produção de relatórios institucionais anuais é uma boa ferramenta para conhecer melhor o trabalho desenvolvido pela equipe de uma organização e produzir memória institucional. 

Outra ação desenvolvida em diálogo com a coordenadoria, foi a elaboração do Plano de Capacitação 2019/2021 da EGG, a fim de traçar as ações educacionais a serem priorizadas pela Escola. O Plano identificou o gap existente entre as competências necessárias para o atingimento dos objetivos estratégicos da Prefeitura e as competências já existentes em seu corpo de servidores e, dessa forma, permitiu planejar a aprendizagem e o desenvolvimento das competências dos agentes públicos de Niterói. 

Por fim, outra ação que envolveu a Gestão do Conhecimento foi a ODS Week, uma semana voltada para a promoção e aceleração de ideias inovadoras no município. Durante uma semana, os servidores receberam conteúdos informativos sobre inovação no setor público e participaram de um workshop para compartilhamento e troca de conhecimentos. Eles também puderam inscrever, no Prêmio de Gestão Pública, projetos com soluções inovadoras para desafios concretos do município, vinculados às metas globais da Agenda 2030. Toda a ODS Week foi documentada e foi elaborado um manual de implementação com o objetivo de inspirar outros governos locais e subsidiar o desenvolvimento futuro de um Laboratório de Inovação no município. 

Rachel Barquette

Sobre o autor

É gestora pública e mestre em Sociologia. Atua como Coordenadora de Gestão do Conhecimento na Escola de Governo e Gestão de Niterói (EGG), vinculada à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão (SEPLAG) da Prefeitura de Niterói. Defende uma gestão pública inovadora, competente, transparente e responsável.