100%
16.8.2019

Os 5 estereótipos que os governos precisam desmentir

Existem muitos estereótipos sobre os governos que precisam ser desmentidos, neste artigo separamos alguns para você. Confira!

“Tudo o que você for resolver com o governo é demorado”

“O governo não ouve os seus cidadãos!”

“O serviço público não funciona.”

Essas e outras frases representam alguns estereótipos que se tem sobre o setor público, em contrapartida os governos não as desmentem.

Nesse artigo estamos trazendo o conteúdo divulgado pelo blog Apolitical para apresentar os 5 estereótipos que os governos precisam desmentir urgentemente. Você pode ler o artigo original aqui.

Estereótipo 1: O governo não ouve a população

Em um estudo realizado no Reino Unido, apenas 19% dos participantes acreditam que que os órgãos públicos ouviam suas preferências, isso prova que o sentimento de ter sido abandonado pelo governo é mais comum do que se imagina.

Em diversos países do mundo os governos estão fazendo o possível para mostrar que se importam com as preferências do povo e que a colaboração deles faz a diferença. A Colômbia, por exemplo, lançou o programa Gobierno Abierto de Nariño para aumentar a confiança do cidadão nas instituições políticas.

Na Argentina o laboratório público nacional de inovação, o LABGobar, recebeu uma competição de inovação em que equipes governamentais e cidadãos criavam juntos soluções para os problemas do país. Essa competição capacitou os cidadãos para trabalhar ao lado dos governos na solução dos problemas locais.

Com essas atitudes, os governos querem mostrar que se importam com a opinião da população e que eles podem fazer a diferença.

Estereótipo 2: Trabalhar no governo não resolve nada

As pessoas acreditam que trabalhar com o governo não é algo que impacta no mundo real, principalmente pelas limitações de orçamento, burocracia e regulamentos rígidos. Esse é mais um estereótipo que os governos precisam desmentir.

O governo de Pernambuco, por exemplo, priorizou a qualidade de educação na região e isso ajudou a subir o Índice de Qualidade da Educação de 2,6 em 2006, um dos menores, para 4,0 em 2018, sendo um dos maiores e superando a média nacional.

A mudança pode acontecer e toda mudança importante para impactar a sociedade começa nos governos.

Estereótipo 3: O Governo é muito fechado

Iniciativas mais transparentes começam a surgir dentro dos governos para mostrar que ele está aberto a parcerias.

O Colab, por exemplo, atua como parceiro em algumas prefeituras para aproximar o cidadão do governo e tornar a gestão pública mais colaborativa. Através do aplicativo os cidadãos conseguem responder a consultas públicas, sinalizar problemas na cidade e ver o que outros estão postando para apoiá-los.

As govtechs são parceiras dos governos nessa mudança para se tornarem mais colaborativos.

Como inovar na sua cidade?

Receba nossos conteúdos no seu e-mail e aprenda tudo sobre inovação em governos!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

Estereótipo 4: O governo está tecnologicamente atrasado

Temos a impressão de que o governo está atrasado quando o assunto é tecnologia, para sermos sinceros, na maior parte do mundo ele está mesmo. Porém, a transformação digital já está acontecendo dentro do setor público e as portas para a inovação estão começando a se abrir.

Na Argentina, por exemplo, foi criada uma nova carteira de motorista totalmente digital que vai ajudar o país a economizar milhões por ano.Já a Estônia construiu uma sociedade digital, onde 98,2% da população possui o RG digital. Com a digitalização de serviços o país chegou a poupar 2% do seu PIB.

Estereótipo 5: O Governo não sabe inovar

Uma pesquisa sobre inovação nos governos mostrou que 80% dos escritórios governamentais adotaram pelo menos uma inovação entre 2015 e 2016.

Isso é consequência dos laboratórios de inovação espalhados pelo mundo, que contribuem para a administração pública trabalhar a colaboração, tanto com empresas privadas quanto com os cidadãos.

A mudança do pensamento dos gestores públicos que se tornaram mais flexíveis e receptivos a criatividade e inovação também contribui para esse cenário.

Essas iniciativas estão acontecendo no mundo inteiro, o Brasil não é exceção, contudo é necessário que elas sejam mais divulgadas e que os governos mostrem que estão se esforçando para acabar com esses estereótipos.

Qual é a sua opinião sobre os estereótipos que separamos? Compartilhe conosco nos comentários!

Nat Almeida

Sobre o autor

Publicitária que escreve sobre criatividade na gestão pública e gosta de aleatoriedades. Responsável pelo blog do Colab e é amante de pães de queijo.