100%
14.2.2020

3 formas não-políticas de participação social

Exercer seu papel de cidadão não se resume apenas a votar e participar ativamente das decisões da sua cidade. Existem muitas coisas que você pode fazer para ajudar a sua cidade. Te contamos 3 delas.

Existem diversas maneiras de exercermos nosso papel de cidadão e participar da sociedade, e muitas delas não estão ligadas à política ou dinheiro, mas sim ao nosso desejo de fazer a diferença na vida de alguém. 

Algumas ações sociais ajudam diversas pessoas todos os dias, e neste artigo o Colab te apresenta algumas delas.

Doação de cabelos para pessoas com câncer

O tratamento do câncer, muitas vezes, faz com que as pessoas tenham queda de cabelos, o que acaba mexendo com a autoestima e entristecendo a muitos, principalmente mulheres e meninas. 

Por este motivo, algumas ONGs fabricam gratuitamente perucas para pessoas com câncer, utilizando cabelos doados por outras pessoas. 

Neste segmento, destacamos o papel das ONGs Rapunzel Solidária e Cabelegria. Ambas as associações não possuem fins lucrativos e juntas já produziram e doaram aproximadamente 7 mil perucas.  

O Hospital do GRAAC também recebe doação de cabelos, que revende para salões de beleza e reverte o valor arrecadado em prol do próprio hospital.

Como faço para ajudar?

Você pode doar seu cabelo! Pode ser liso, crespo, alisado, com química, sem química, preto, branco, colorido, de homem ou de mulher, criança... Desde que seja cabelo, tenha no mínimo 15cm e esteja seco e preso em um elástico, tá valendo!

Para saber como doar para o Hospital GRAAC, acesse https://graacc.org.br/doacao-de-cabelo/.

Para saber como doar para a Rapunzel Solidária, acesse https://www.rapunzelsolidaria.org.br/como-doar/.

Para saber como doar para a Cabelegria, acesse https://www.cabelegria.org/#!/Doe-seu-cabelo

Doe sangue

Você sabia que tem o poder de salvar uma vida? Doando sangue você faz isso, salva vidas.

A doação pode ser feita no máximo 4 vezes ao ano (sexo masculino) ou 3 vezes ao ano (sexo feminino), com um intervalo mínimo de dois e três meses, respectivamente. 

O corpo humano possui, em média, 5 litros de sangue e a cada doação são extraídos apenas 450 ml, portanto não vai te prejudicar em nada :)

Para doar, você precisa preencher alguns requisitos:

  • Pesar mais de 50kg;
  • Ter entre 16 e 69 anos, sendo que os menores de 18 só podem doar com autorização dos pais;
  • Ter dormido pelo menos em 6 das últimas 24 horas;
  • Estar alimentado.

Como eu faço para doar?

Primeiramente, você precisa estar munido da sua boa vontade de ajudar. Em segundo lugar, basta comparecer a uma das unidades de coleta de sangue e conferir se você atende aos requisitos para ser um doador.

Doação de órgãos

O que você espera deixar de legado após sua morte? E se você puder deixar vida?

A doação de órgãos é isso, você dar uma oportunidade para que outras pessoas possam viver.

Existem duas formas de doação: 

Doador vivo: a pessoa precisa estar consciente e concordar com a doação, desde que não tenha sua saúde prejudicada. Podem ser doados um dos rins, parte do fígado, parte do pulmão e parte da medula óssea. 

Doador falecido: pessoas com morte encefálica, desde que autorizado por familiares. Podem ser doados rins, coração, fígado, pâncreas, pulmões, medula óssea, ossos, córneas e pele.       

Como eu faço para doar?

Fale. Converse com sua família e deixe bem claro que tem o desejo de doar seus órgãos quando não estiver mais aqui. No Brasil, a doação de órgãos só acontece se a família do falecido estiver de acordo.

Em casos de doação em vida, é necessário que exista um parentesco de até quarto grau entre o doador e o receptor ou que sejam cônjuges. Doações para pessoas que não são familiares devem ser autorizadas pela justiça.

Para mais informações, acesse https://saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos .


E aí, você já conhecia essas formas de exercer sua cidadania? Já fez alguma delas? Conta pra gente!


Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

.


Ana Mendonça

Sobre o autor

Ana Mendonça é jornalista e gestora de políticas públicas. Defensora de uma linguagem simples na administração pública, acredita no poder do cidadão e no protagonismo do servidor.