100%
30.9.2019

Mobilidade Urbana: Precisamos de Calçadas Caminháveis

Certamente em algum momento do seu dia você pisa em uma. Você já reparou nas calçadas da sua cidade? Nós precisamos de calcadas caminháveis e nesse artigo vamos te explicar porque. Confira!

A gente mal percebe, mas o primeiro lugar em que pisamos quando saímos de nossas casas é a calçada. E mesmo que tenha garagem na sua casa e você só saia de casa de carro, certamente em algum momento do seu dia você pisa em uma. Você já reparou nas calçadas da sua cidade?

Desde 2017, a ONG Corrida Amiga, em parceria com o Colab, realiza a campanha Calçada Cilada, que busca mapear calçadas que atrapalham nossas vidas no dia-a-dia e impedem a locomoção adequada de cidadãos. Este ano, foram mapeadas mais de duas mil calçadas em dezenas de municípios do país. Para realizar o mapeamento, cidadãos criaram publicações no aplicativo do Colab, adicionando fotos, escolhendo uma categoria e descrevendo a situação das calçadas.

Apesar da categoria mais assinalada ser “calçada irregular”, a campanha – e o mapeamento – ainda alerta sobre algo que a maioria da população pouco observa: a falta de acessibilidade dos nossos passeios, que impede a locomoção de pessoas com mobilidade reduzida ou outra deficiência.

Calçadas Caminháveis e o Pedestre no Brasil

O problema é maior quando observamos os números. Segundo o ITDP, através da sua pesquisa Cidade de Pedestres, os deslocamentos a pé em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas e Vitória representam de 42% a 58% das viagens diárias.

Isso significa que na média, mais de um terço dos nossos deslocamentos são feitos a pé. Somos tantos e passamos tanto tempo caminhando pela cidade que ter calçadas caminháveis é uma uma necessidade. 

Para o urbanista norte-americano, Jeff Speack, autor do livro “Walkable City” (Cidade Caminhável, em tradução livre): “Caminhabilidade é, ao mesmo tempo, um meio e um fim, e também uma medida. Enquanto as compensações físicas e sociais do caminhar são muitas, talvez a caminhabilidade seja muito mais útil, já que contribui para a vitalidade urbana, além de ser o mais significativo indicador dessa vitalidade.”

O autor levanta em seu livro os 10 passos da caminhabilidade, uma espécie de guia/checklist para tornar as cidades mais caminháveis.

Os 10 passos da caminhabilidade são:

1. Colocar o carro em seu lugar

2. Mesclar os usos;

3. Adequar o estacionamento;

4. Deixar o sistema de transporte fluir;

5. Proteger os pedestres;

6. Acolher as bicicletas;

7. Criar bons espaços;

8. Plantar árvores;

9. Criar faces de ruas agradáveis e singulares;

10.  Eleger suas prioridades.

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

E o que podemos fazer para tornar nossas cidades mais caminháveis? 

Entender que a calçada é uma via de tráfego e o deslocamento a pé parte importante de nossas viagens diárias é um primeiro passo. Cuidar de nossas calçadas é o segundo.

A maioria de nós não sabe, mas as calçadas em vias residenciais são responsabilidade do proprietário da casa em frente. Ou seja, a nossa calçada é nossa responsabilidade. 

Colaborar com a sua Prefeitura e fiscalizar a acessibilidade e qualidade das calçadas que passamos também é um importante passo. E você pode usar o aplicativo Colab para isso. Lá, adicionando fotos, escolhendo uma categoria e a descrição do problema, a Prefeitura sabe melhor como agir. 

Além do impacto óbvio em nosso deslocamento diário, cidades caminháveis estimulam o deslocamento a pé, ou seja, estimula que cidadãos se exercitem, economizando gastos futuros em saúde pública, ao mesmo tempo que a ocupação das nossas ruas por mais gente é também uma medida que aumenta a sensação de segurança. 

Observando todo o impacto e entendendo melhor o que é uma cidade caminhável, o que mais você pode fazer para colaborar com sua cidade e fortalecer o deslocamento a pé? Como está a qualidade das calçadas na sua cidade? Compartilhe conosco nos comentários!

Nat Almeida

Sobre o autor

Publicitária que escreve sobre criatividade na gestão pública e gosta de aleatoriedades. Responsável pelo blog do Colab e é amante de pães de queijo.