100%
25.10.2019

Setor público, precisamos de mais linguagem simples

Vamos falar com sinceridade: alguém aqui é fluente em burocratês? Por isso que, nesse artigo, queremos te mostrar a importância de utilizar a linguagem simples no cotidiano do setor público.


Vamos falar com sinceridade: alguém aqui é fluente em burocratês?

Sim, burocratês, a famosa linguagem utilizada pelo serviço público que confunde até quem se depara diariamente com ela. Se os servidores públicos ficam confusos, imagine então a população brasileira onde mais de 11 milhões de pessoas não sabem ler nem escrever.

Por isso que, nesse artigo, queremos te mostrar a importância de utilizar a linguagem simples no cotidiano do setor público.

A necessidade da linguagem simples no setor público

A transformação digital trouxe a necessidade de atender rapidamente às demandas dos nossos consumidores ou, no caso do setor público, a população. 

Sabemos que o setor público não está na vanguarda da transformação digital como deveria. Algumas prefeituras já adotaram soluções tecnológicas, como aplicativos que tornam a gestão pública mais eficiente e colaborativa (como o Colab), enquanto outras ainda engatinham para começar a digitalizar documentos.

A administração pública ainda não se adaptou a essas necessidades e já se depara com um novo desafio: utilizar a linguagem mais simples possível para falar com a população. Vamos fazer um breve exercício de imaginação para que você compreenda a importância de simplificar a linguagem.

Imagine que você está assistindo à televisão no final do dia, o que você faz? Será que presta atenção no programa ou se divide entre as informações que estão saindo da tela e as que chegam pelo seu celular?

Se nem o entretenimento tem mais 100% da nossa atenção, por que insistimos em acreditar que, usando uma linguagem complexa e incomum para a maioria das pessoas, vamos ter a atenção delas?

O que é a Linguagem Simples? 

A linguagem simples é uma técnica de comunicação utilizada internacionalmente e ganhou destaque em meados dos anos 1970, quando começou a ser usada em países como o Estados Unidos, Reino Unido, Suécia e Canadá. 

Grupos de servidores públicos, cidadãos e consumidores perceberam que o burocratês dificultava a conversa entre o setor público e a população. Juntos, esses grupos criaram a Linguagem Simples com o objetivo de facilitar a compreensão de textos, tornando-os mais fáceis de ler e entender. 

Essa iniciativa reflete até hoje em nossa sociedade, sendo implementada em diversos governos.

Aqui no Colab adoramos inovar na gestão pública!

Por isso, disponibilizamos alguns conteúdos mais completos que falam sobre gestão pública. Deixe o seu melhor e-mail para recebê-los!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

O Brasil, a linguagem simples e a desburocratização

Em 2017, o Governo publicou o decreto para simplificar atendimento a usuários de serviços públicos com o objetivo de desburocratizar a relação com os cidadãos e aumentar a eficiência do Estado.

Já em outubro de 2018 foi sancionada a Lei nº 13.726/18, também conhecida como Lei da Desburocratização, que torna obrigatório aos servidores públicos simplificar formalidades no trato com os cidadãos como, por exemplo, reconhecimento de firma ou aceitar a cédula de identidade ou título de eleitor no lugar da certidão de nascimento.

A Lei nº 13.460/17, conhecida por Código de Defesa do Usuário do Serviço Público, também está alinhada a isso. Conforme publicado no site da Controladoria-Geral da União.

"Os órgãos e entidades públicos abrangidos pela lei deverão avaliar os serviços prestados, nos seguintes aspectos: 

  • Satisfação do usuário com o serviço prestado
  • Qualidade do atendimento prestado ao usuário
  • Cumprimento dos compromissos e prazos definidos para a prestação dos serviços
  • Quantidade de manifestações de usuários
  • Medidas adotadas pela administração pública para melhoria e aperfeiçoamento da prestação do serviço

A avaliação será realizada por pesquisa de satisfação feita, no mínimo, a cada um ano, ou por qualquer outro meio que garanta significância estatística aos resultados.

Esses decretos contribuem para aumentar a eficiência e a agilidade dos serviços públicos, porém, ainda falta muito para que o Brasil possa dizer que seu atendimento com a população utiliza a linguagem simples. Inclusive, na câmara de São Paulo está tramitando um projeto de lei que torna obrigatório o uso da linguagem simples no atendimento do serviço público.

Nosso serviço público está começando a se adaptar à transformação digital, mas nós já podemos ir nos acostumando a utilizar a linguagem simples, pois para implementá-la basta apenas usar a empatia e inovar na hora de escrever. Afinal, ninguém gosta de ouvir ou ler algo e sair com o sentimento de não ter entendido nada. 

O Colab pode te ajudar com isso! Para auxiliar às prefeituras a se adequarem à lei 13.460, desenvolvemos a Cartilha “7 passos para uma Comunicação Cidadã”. Para receber uma cópia do material, envie um e-mail para gov@colab.re.

Nat Almeida

Sobre o autor

Publicitária que escreve sobre criatividade na gestão pública e gosta de aleatoriedades. Responsável pelo blog do Colab e é amante de pães de queijo.