100%
3.5.2021

Síndrome de Burnout: 5 dicas de como prevenir a doença

A síndrome de Burnout não é uma novidade e os profissionais da saúde alertam maior atenção aos sintomas em tempos de pandemia. Confira 5 dicas para prevenir a doença neste artigo!


Sem ter uma data prevista para acabar a pandemia do COVID 19 muitos gestores, funcionários e trabalhadores ainda seguem à risca o isolamento social e continuam suas atividades profissionais em casa, no famoso home office. Tais precauções estão chamando atenção de médicos do trabalho por conta da tensão e da fadiga que os novos tempos têm causado na vida profissional das pessoas. 

Não se trata de novos sintomas, nem muito menos de algo desconhecido, a síndrome do Burnout, traduzida no português como síndrome do esgotamento profissional, foi descoberta em 1974 pelo médico americano Freudenberger, que a caracteriza como um distúrbio psíquico. 

Segundo o site do Dr. Drauzio Varella, as principais características dela são tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. Além de ser associada aos sintomas da ansiedade, estresse e síndrome do pânico. 

Recentemente a síndrome foi incluída na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS), em uma lista que entrará em vigor no ano de 2022. Segundo a OMS, o esgotamento profissional vem crescendo após a pandemia, um problema atual que as empresas terão que se preocupar cada vez mais. 

Em estudo realizado em 2019, a partir da matéria da Agência Brasil, cerca de 20 mil brasileiros pediram afastamento médico por conta de doenças mentais relacionadas ao trabalho. "O emocional das pessoas tem sido fortemente abalado pelo isolamento social, as incertezas do futuro, a pressão para alcançar resultados, as dificuldades do trabalho remoto, entre outros pontos”, comenta o médico e gestor em saúde, Ricardo Pacheco para Agência Brasil.

Pensando em prevenir a saúde de todos que acompanham o blog da Colab, seja gestores, funcionários ou clientes, preparamos cinco dicas de como prevenir o desenvolvimento da síndrome de Burnout. Confira:

Aqui no Colab adoramos inovar na gestão pública!

Por isso, disponibilizamos alguns conteúdos mais completos que falam sobre gestão pública. Deixe o seu melhor e-mail para recebê-los!

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

1- Faça atividades físicas regularmente

Além de prevenir a síndrome de Burnout, o hábito de se exercitar previne outras doenças cardíacas como diabetes tipo 2 e câncer. Também ajuda na redução de sintomas que estão atrelados aos da síndrome, como depressão e ansiedade. 

2- Defina objetivos a curto prazo

Escreva suas metas, tanto profissionais quanto pessoas. O hábito de planejar e ver diariamente o que precisa ser feito no dia, na semana ou até mesmo no mês, pode aliviar a tensão e as preocupações futuras sem causar ansiedade. 

3- Reconheça o valor dos hobbies

Sobretudo em tempos de isolamento, reconhecer atividades que não estão ligadas ao trabalho e ter tempo para fazê-las faz muito bem para a saúde e autoestima. Se ainda não tem, procure algo novo, seja estudar uma língua ou tocar um instrumento. 

4- Diminua o uso da tecnologia

O uso excessivo do celular também está diretamente ligado à Síndrome de Burnout. Dê um tempo de paz para você mesmo, limite a quantidade de horas que passa em frente a tela, seja do celular, computador ou até mesmo da televisão.

5- Converse com seu gestor

Alinhe sempre que puder as demandas e metas profissionais com a gestão, o feedback nesse momento de distanciamento social é mais importante do que imagina. Definir ações e alinhar as expectativas é algo positivo para ambos os lados serem produtivos e saudáveis. 

Se os sintomas persistirem, não hesite em procurar ajuda médica, o SUS disponibiliza atendimento gratuito pela Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

1- Faça atividades físicas regularmente

Além de prevenir a síndrome de Burnout, o hábito de se exercitar previne outras doenças cardíacas como diabetes tipo 2 e câncer. Também ajuda na redução de sintomas que estão atrelados aos da síndrome, como depressão e ansiedade. 

2- Defina objetivos a curto prazo

Escreva suas metas, tanto profissionais quanto pessoas. O hábito de planejar e ver diariamente o que precisa ser feito no dia, na semana ou até mesmo no mês, pode aliviar a tensão e as preocupações futuras sem causar ansiedade. 

3- Reconheça o valor dos hobbies

Sobretudo em tempos de isolamento, reconhecer atividades que não estão ligadas ao trabalho e ter tempo para fazê-las faz muito bem para a saúde e autoestima. Se ainda não tem, procure algo novo, seja estudar uma língua ou tocar um instrumento. 

4- Diminua o uso da tecnologia

O uso excessivo do celular também está diretamente ligado à Síndrome de Burnout. Dê um tempo de paz para você mesmo, limite a quantidade de horas que passa em frente a tela, seja do celular, computador ou até mesmo da televisão.

5- Converse com seu gestor

Alinhe sempre que puder as demandas e metas profissionais com a gestão, o feedback nesse momento de distanciamento social é mais importante do que imagina. Definir ações e alinhar as expectativas é algo positivo para ambos os lados serem produtivos e saudáveis. 

Se os sintomas persistirem, não hesite em procurar ajuda médica, o SUS disponibiliza atendimento gratuito pela Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

Lívia Donadeli

Sobre o autor

Jornalista de formação, marketeira por imposição. Sempre em busca de pessoas que inspiram. Uma entusiasta por movimentos sociais.